Brasil - Terça, 17 Janeiro 2017

Descoberto o Décimo Planeta

29 de Julho de 2005

 

"Sem dúvida é maior que Plutão.", disse o Dr. Mike Brown do Instituto de Tecnologia da Califórnia ao anunciar hoje o descobrimento de um novo planeta exterior no Sistema Solar.

 

O planeta, que não foi ainda batizado oficialmente, foi encontrado por Brown e colegas usando o Telescópio Samuel Oschin do Observatório Palomar próximo a San Diego. Ele está atualmente cerca de 97 vezes mais distante do Sol que a Terra, ou 97 Unidades Astronômicas (UA). Em comparação, Plutão está a 40 UA do Sol.

 

Isto coloca o novo planeta mais ou menos no Cinturão de Kuiper, uma região escura além de Netuno onde milhares de pequenos corpos gelados orbitam em torno do Sol. O planeta parece ser um objeto típico do Cinturão de Kuiper, só que muito maior. Seu tamanho absoluto em relação aos nove planetas conhecidos mostra que ele só pode ser mesmo classificado como planeta, disse Brown.

 

Astrônomos amadores com telescópios grandes podem ver o novo planeta. Mas não esperem ficar impressionados: parece um pequeno ponto de luz, com magnitude 19, movendo-se lentamente sobre o pano de fundo estrelado. "Ele encontra-se atualmente diretamente no topo do céu oriental de manhã bem cedo, na constelação de Cetus (Baleia)", de acordo com Brown.

 

O planeta foi descoberto além de Brown, por Chad Trujillo, do Observatório Gemini em Mauna Kea, Havaí, e David Rabinowitz, da Universidade de Yale, New Heaven, Connecticut. Eles primeiro fotografaram o novo planeta com o Telescópio de 48 polegadas Samuel Oschin em 31 de outubro de 2003. Entretanto, o objeto estava tão distante que seu movimento não foi detectado até que os dados fossem reanalizados em janeiro deste ano. Nos últimos sete meses, os cientistas estudaram o planeta para melhor estudar seu tamanho e seu movimento.

 


Direita: o novo planeta, com o círculo branco ao redor, cruza um campo de estrelas em 31 OUT 2003. As três fotos foram tiradas ao longo de 90 minutos.

Crédito da imagem: Telescópio Samuel Oschin, Observatório Palomar.

 

"Estamos 100% confiantes que este é o primeiro objeto maior que Plutão encontrado no sistema solar exterior," complemetou Brown.

 

Os telescópios ainda não revelaram o disco do planeta. Para estimar quão grande ele é, os astrônomos dependem das medições do brilho do planeta. Como todos os planetas, este novo provavelmente brilha refletindo a luz solar. Quanto maior o planeta, em geral, maior a reflexão. A refletância, a fração de luz que é refletida pelo planeta, ainda não é conhecida. Assim mesmo, é possível estabelecer os limites para o diâmetro do planeta:

 

"Mesmo que reflita 100 porcento da luz que o atinge, ainda assim ele seria maior que Plutão," disse Brown. Plutão tem 2.300 km (1,400 milhas) de largura. "Eu diria que ele tem provavelmente uma vez e meia o tamanho de Plutão, mas não estamos certos disso."

 

O tamanho do planeta está limitado pelo Telescópio Espacial Spitzer da NASA, que já provou seu valor em estudar o calor dos tênues e distantes objetos do Cinturão de Kuiper. Já que o Spitzer não conseguiu detectar o novo planeta, o diâmetro total dele deve ser menor que 3.200 km (2,000 milhas), disse Brown.

 

O nome provisório do planeta é 2003 UB313. Um nome permanente foi proposto pelos descobridores à União Astronômica Internacional, e eles estão aguardando a decisão do comitê antes de anunciar o nome.

 

Texto original da NASA (http://science.nasa.gov/headlines/y2005/29jul_planetx.htm?list70027l)
Artigo traduzido por Luis Gustavo Gabriel

 

Próximo artigo | Artigo anterior

 

Anúncios





Notícias
Direitos Reservados | Astronomia na Web 1996-2017